Resenha: Pecadora - Nana Pauvolih

DSCN5154

Skoob – Avaliação: 5/5

Todos nós éramos pecadores. Somente uma coisa diferenciava um pecador: as escolhas. Saber o certo e escolher seguir pelo caminho errado em vez de fazer o que era correto. Fechei os olhos. Apesar de tudo que tinha feito naquela noite, não me arrependi. Era pecado, era perdição, mas também era mais do que eu já tinha sonhado em ter. ––– Entre a rígida criação religiosa e o desejo que sempre a consumiu, Isabel precisa se encontrar. Casada há quatro anos com Isaque, seu namorado de adolescência, a jovem sabe que a relação está longe de ser satisfatória. Mas é só quando Isaque fica amigo de Enrico, um publicitário solteiro e bem-sucedido, que a situação começa a ficar insustentável. Agnóstico, sem amarras e cheio de mulheres, Enrico é tudo o que Isabel acredita rejeitar, mas ela não consegue deixar de se sentir interessada pelas histórias que o marido conta dele. Para piorar, ela consegue um emprego na agência dele, e agora terá de passar os dias ao lado do homem que traz à tona seus sentimentos mais proibidos. Neste novo romance, Nana Pauvolih, uma das maiores autoras de romances eróticos do país, mostra que o certo nem sempre precisa ser aquilo que é imposto, e sim aquilo em que se acredita.

*Livro recebido em parceria com editora*

“Se eu contasse tudo que fiz e faço, você acreditaria em pecado.”

Toda vez que começo os livros da Nana e as coisas começam a esquentar a única coisa que vem na minha cabeça é:

Resultado de imagem para gif eita giovana

Segura esse forninho aí porque esse livro vai ser proibido para menores de 80 anos, e tu vai hiperventilar em cada cena, não é a toa que Nana Pauvolih tem nome na literatura erótica. Mas antes de começarmos as minhas considerações vamos ao resumo da missa, digo, da obra.

Isabel foi criada em uma família fanática religiosa, seus pais eram tão rígidos com suas interpretações da Bíblia que criaram uma Igreja bem rígida, onde tudo era proibido e as outras da mesma religião eram consideradas frouxas e pecadoras ao seus olhos. Desde pequena ela foi criada assim, a mais nova de três irmãs que sempre quis questionar alguns ensinamentos mas que nunca teve coragem para ser igual Rebeca, sua irmã que se rebelou e fazia o que tinha vontade até ser expulsa grávida de casa.

Com 18 anos ela foi obrigada a se casar com Isaque, um rapaz que ela namorou desde sempre, mas que também seguia os mesmos ensinamentos de seu pai. Ela era uma boa esposa, sua casa estava sempre impecável e nunca reclamava de servir seu marido, mas era frustrada por dentro, emocionalmente e sexualmente. Seus desejos, suas vontades nunca podiam vir a tona no casamento, caso viessem ela poderia ser considerada uma mulher do mundo, impura, possuída pelos desejos da carne, e por isso sempre renegou a eles, mesmo pecando em pensamento e em algumas ações que seu pai (e a Bíblia) condenava.

Mas quando Isabel começa a conhecer um pouco mais de Enrico, colega de futebol de Isaque e seu futuro chefe, ela começa a ver que não é feliz, que deseja ter algumas liberdades que seus colegas de trabalho tem, e que nunca terá com Isaque. Por isso a Pecadora entra em ação, e em conversa com o Santo começa a repensar toda sua vida e nas coisas que sempre foi ensinada a seguir. Seria ela uma pecadora por querer pensar por si só? Querer viver uma vida feliz e apaixonante ao lado de quem realmente a valoriza como mulher?

“Seria muito pedir para ter prazer? Eu ardo, queimo, sou uma pecadora cansada dos bonzinhos, dos tolos do mundo. Acho que vou ter que buscar muito até encontrar um pecador como eu.”

nana

Esse é um daqueles livros que você vai ter que ler com mente aberta, principalmente se for Evangélico, pois a base do livro são os questionamentos sobre o extremismo de algumas religiões, alias, de alguns seguimentos da religião.

Como alguém que tem família evangélica, eu pude ver muita verdade nos questionamentos da Nana, é triste ver (e principalmente pensar mais adiante com relação as outras pessoas no mundo) como uma interpretação mais extrema e a imposição de algumas religiões podem deixar alguém tão infeliz, amargurado e frustrado em todos os sentidos possíveis. A autora conseguiu expressar com clareza como é um ‘crente bitolado’, aqueles que não se deixam fazer nada, pensar em nada, se isolam de outras pessoas – até mesmo da família – com medo de pecar, de manchar sua alma com a impureza do mundo. Se você está feliz com isso, ok! Mas impor isso a outras pessoas é bem foda, e no livro é o que Isabel passa, ela sempre se questionou sobre a crença de seus pais, como algumas outras pessoas evangélicas eram felizes e plenas e sua família era toda fechada e não se permitiam nada, nem ao menos ser feliz, pois ‘a infelicidade aqui não importava, só a felicidade que iriam ter ao ir morar com o Senhor’. – emotion revirando os olhos.

Como disse pensar em quantas pessoas são assim é triste, quantas mulheres ai são obrigadas a casar por causa das crenças de seus pais, vivem com maridos machistas que as enxergam somente como uma empregada que lhe deve trazer comida quentinha, manter a casa organizada e lhe servir sexualmente quando ele desejar é tenso, e é real. Mulheres que abstraem de seus desejos, de sua felicidade, de suas vontades por causa de uma crença maior que nem é delas, de algo que lhes foi imposto, e que caso tente se rebelar contra isso perdem tudo que já conheceram, saem com o nome difamado, como uma puta possuída pelo demônio, perde o contato com a família, não lhes dão direito nem aos seus bens materiais, é difícil e a autora soube muito bem colocar isso na história, eu senti cada questionamento de Isabel na pele, cada dúvida sobre se arriscar a sair dessas correntes para ser feliz mas com medo de ser jogada na rua igual sua irmã foi e não ter apoio de ninguém que conhece.

“Eu queria sentir. Na pele, no corpo, na alma. Ansiava por sensações só minhas, experiências que ficassem na lembrança, algo que suprisse aquela falta de vida que me sufocava cada vez mais.”

Acho que o diferencial deste livro com os outros da autora é isso, ele é muito real. Nana soube construir muito bem a  história, mostrar como é difícil uma pessoa que sofre com a imposição religiosa da família e tem um casamento horrível se libertar disso, é difícil se rebelar contra tudo que você foi obrigado a seguir a vida toda, e mesmo quando você consegue se libertar daquilo e começa a seguir na ‘nova vida’ a transição é dura e lenta, e alguns momentos de questionamentos se está fazendo o correto são completamente normais.

Sobre os personagens. Enrico é um cara que não tem como não gostar, ele é o deus sexual do livro, o qual todas mulheres querem, mas a sua personalidade é o que conquista aqui. Ele também teve um passado muito sofrido, e ao invés de se deixar lamentar pelos seus problemas, acabou batalhando e subindo na vida, ajudando quem precisa e principalmente os animaizinhos. Eu gostei muito de como ele foi desenvolvido na história, o gradual relacionamento entre ele e Isabel, a paciência com a religião a qual ele não acredita, a total integridade dele em não sair com uma mulher casada e principalmente a devoção a personagem que todos enxergavam como ‘feia’ por usar roupas largas e não se permitir ser ‘mais vaidosa’.

Já Isabel acho que não tenho muito mais o que falar sobre ela, seus questionamentos sobre religião fazem o leitor pensar muito, e apesar de seu desenvolvimento ser mais lento e dar umas vaciladas ao longo da história eu achei ela muito real, só acho que depois de ter se libertado daquelas correntes deveria ter procurado uma ajuda médica para entender mais o que estava sentindo e como seguir na nova vida, pois foi um choque cultural muito grande pra ela se adaptar em tão pouco tempo.

O romance do casal nem preciso falar que é quente há um nível extraordinário né, já disse que não é a toa que Nana Pauvolih tem nome na literatura erótica, ela consegue fazer as cenas de sexo parecerem tão reais e envolventes que ao lê-las parece que você está lá no meio daquela suruba danada dos personagens rsrsrsr.

Enfim, apesar de ter um final um pouco corrido, eu gostei muito desse livro. Nana Pauvolih nunca decepciona os fãs de uma boa literatura erótica com uma história muito bem construída. Você vai ler Pecadora e ficar pensando em quantas mulheres são frustradas sexualmente e abdicam de seus desejos mais profundos para seguir algo que lhes foram impostos, e como a vida é mais leve quando você segue o que acredita ser certo, sem julgamentos quando coloca suas vontades na mesa – e na cama. Só digo para prepararem um ventilador do lado quando começarem a ler esse livro, pois após a primeira página você não vai conseguir mais parar.

“Ele achava que somente uma de suas filhas era pecadora. Estava enganado. Mesmo que eu não demonstrasse, uma parte de mim questionava tudo aquilo. E pecava.”

Pecadora

 

ISBN-13: 9788542209716
ISBN-10: 8542209710
Ano: 2017 / Páginas: 384
Idioma: português
Editora: Essência

Compre:

avaliação cupcake - Cópiachili-1357924_960_720chili-1357924_960_720

13 comentários:

  1. Oi Sabrina
    Não li ainda os livros da Nana mas sei que todos AMAM e dizem que sua escrita é maravilhosa. Pretendo não perder mais tempo e ler algo dela. Este livro especificamente parece muito bom, a premissa que além do romance em si envolve uma crítica ao extremismo que vemos muito por ai.
    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Não sou nada fã do gênero ainda mas esse livro promete hein rsrsrs, acho que a autora exagerou na pimenta com muito fogo na protagonista, gostei e quero conhecer mais a escrita da autora.
    Abraços!!!

    ResponderExcluir
  3. Já tinha visto outra resenha e gostado. Quero ler. Acho legal livros que nos levam a refletir sobre fatos reais, no caso a religião e seus questionamentos.

    ResponderExcluir
  4. Eita Isabel haha! Já sinto que vou curtir e muito o tal do Enrico.
    Primeira resenha que leio do livro e confesso que fiquei super interessada.
    Gosto de romances mais picantes e esse tem de sobra. Curti!!!
    Já vou colocar na minha listinha de leituras, sua resenha me deixou bem animada.
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  5. Sabrina!
    Fiquei daqui só imaginando após tanta repressão familiar e no casamento, a explosão que deve ter sido ela encontrar Enrico e poder viver todas suas vontades e fantasias, adoro livros bem eróticos.
    E saber que há uma abordagem quanto ao 'bitolamento' que determinadas religiões impõem, torna o livro ainda mais interesando e questionar.
    Quero ler.
    Desejo uma ótima semana!
    “Compreender que há outros pontos de vista é o início da sabedoria.” (Campbell)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP COMENTARISTA ABRIL especial de aniversário, serão 6 ganhadores, não fique de fora!

    ResponderExcluir
  6. Olá, Sabrina!!
    Que história incrível, pois conta tudo sobre a vida a vida de Isabel, como que ela enfrentou os dias terríveis de sua vida, mas que agora está com o Enrico, e que nele ela encontrou tudo o que precisava.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  7. Oi, Sabrina!
    Uma vez que não gosto nada de eróticos, primeira vez que vi a capa e o título desse livro ao ser divulgado já o fez passar longe da minha estante, rs. Quanto à abordagem que a autora fez, como cristã, honestamente me senti bem incomodada com os aspectos citados sobre o enredo desse livro e ainda que essa questão de extremos religiosos seja mesmo complicada e séria, existem limites para ambos os lados, ou assim acredito, e ainda que gostasse do gênero, infelizmente continuaria a passar longe dessa indicação. Se você conseguiu se identificar ou mesmo gostar da leitura, que bom para você, mas realmente não é uma indicação que eu tenha curtido em nada.
    Beijos

    ♥ Sâmmy ♥
    ♥ SammySacional.blogspot.com.br ♥
    ♥ DandoUmadeEscritora.blogspot.com.br ♥

    ResponderExcluir
  8. Tive uma péssima experiência com outro livro da autora e necessito mudar isso. Gostei bastante dos temas dessa obra, apesar disso, não me cativou como deveria. A Nana é super talentosa no que faz, muitas pessoas elogiam ela, por isso quero muito mudar a visão que eu tenho da escrita dessa autora.

    ResponderExcluir
  9. Não li nenhum livro da Nana, mas acompanho os livros dela! Este é um dos livros dela que mais me despertou interesse, amei a resenha, deve ser maravilhoso ver a personagem se libertar dos seus medos e das correntes que a prendem a um casamento tão fraco e sem amor. Esta na minha lista <3

    ResponderExcluir
  10. Considero a Nana uma das melhores autoras nacionais. No momento estou lendo Redenção de um cafajeste. Ganhei de presente e estou muito apaixonads pela escrita dela. Amo a forma que ela retrata os personagens bem construídos

    ResponderExcluir
  11. Eeeeeita que o livro é quente hein ?!
    Adoro esse gênero, esse livro está sendo super divulgado e a Nana é um das melhores nesse gênero hot.
    "Parece que você está lá no meio daquela suruba danada dos personagens".Adorei kkk

    ResponderExcluir
  12. Adoro esse gênero. Parece que estamos dentro do livro. Prende. Parabéns Nas pela Maravilhosa Leitura, Amei!!!

    ResponderExcluir