Resenha: O Que Resta de Mim (Flor de Lis - Série Flores # 1) - Thays M. de Lima

DSCN4928

Skoob – Avaliação: 2/5

Com a intenção de superar seus traumas, Gabriela deixou São Paulo para tentar um recomeço no Rio de Janeiro. Seu objetivo era apenas iniciar seus estudos em uma das maiores universidades da cidade e tocar sua vida de alguma forma.
Guilherme é avesso a compromissos, mas nem sempre foi assim. Aos 12 anos ele fora tirado da vida que conhecia deixando para trás uma promessa não cumprida.
Enquanto Gabriela quer ficar longe de encrenca, Guilherme é a definição de encrenca.
Contudo, ele é único que consegue enxergar através de seus olhos. E isso a aterroriza, porque ela pensou ter deixado seu passado para trás, mas na verdade ele estava bem à sua frente.
Quando o amor e um passado repleto de feridas andam juntos resta apenas uma escolha...

*E-book de acervo pessoal da blogueira*

Antes de começar essa resenha peço de coração que não comecem treta por causa de minha opinião sobre o livro. Sei que muita gente esta gostando da obra, e é aquele negócio, cada um tem seu gosto, você só vai saber se é bom o livro se ler.     

Essa é uma resenha completamente sincera e COM spoilers, então a leiam por conta e risco. E mais uma vez ressaltando que ninguém é obrigado a nada, muito menos a gostar de tal livro, seja ele escrito por autor nacional, internacional, pelo papa, YouTuber ou minha mãe.

O que resta de mim é um livro que achei extremamente incoerente, e com uma semelhança MUITO grande com Um Caso Perdido, da Colleen Hoover. Lembram aquele livro onde a menina é abusada pelo pai, se envolve com o guri da escola pra no final saber que ele é o melhor amigo de infância dela, pois é, é bem isso aqui, só que a salada é maior (e gente, ele tem até uma tatuagem pra lembrar da menina que abandonou quando era pequeno –emotion revirando os olhos).

Um dos erros mais gritantes deste livro pra mim foi o excesso de plot twist que a autora colocou na narrativa (eu contei mais de 10), ao invés de seguir somente uma linha onde há um casal principal, algum mistério e fim, não, temos várias e várias histórias contadas ao mesmo tempo. Sei que o objetivo da autora é fazer uma série, mas você querer introduzir TUDO em um primeiro livro fica muito bagunçado, cheio de pontas soltas e é claro cheio de histórias jogadas ali sem nenhum motivo aparente (que pode ser explicado em um próximo livro, mas então se vai contar sobre aquilo no segundo porque não deixar para falar somente nele? Pra que colocar mais coisas em um livro que já tem tanta coisa acontecendo?)

A linha temporal aqui é uma bagunça também, logo no início vemos a protagonista falar que está lendo um livro da Thalita Rebouças (e pesquisando vi que este foi lançado em 2011) e o guri também toca pra ela uma música de 2011. Porém, quando ela vai pra faculdade se passaram nove anos do acontecido (e ela tinha 9 anos quando matou o pai), logo 2011 + 9 anos = 2020, PORÉM a história se passa em 2016, já que ela fala que o menino comprou um carro de modelo tão novo que ela não tinha nem visto, um Audi 2016 e um Jeep modelo 2016, logo a história dela na faculdade se passa em 2016 e não em 2020, fora o tanto de referências que ela faz ao ano 2016 com músicas e séries que foram lançados naquela época. Não sei como esse detalhe tão gritante passou despercebido pela criação da história e pela revisão, porque está jogado assim na história logo no início.

Além desse erro das datas (que pode ser facilmente arrumado em uma nova edição) a linguagem da protagonista nunca condiz com a idade dela, na cena onde ela mata o pai com 9 anos seus pensamentos parecem de uma mulher adulta, e ela fala como uma criança de 5 anos (eu tenho uma irmã mais nova, ela nunca falaria algo parecido com o que essa menina diz e pensa), quando está na faculdade também, hora ela se comporta como uma menina de 15 anos fazendo birra, outra é super madura, e alguns diálogos com outros personagens também seguem esse mesmo problema.

Outro pequeno detalhe logo no começo do livro é a cena de quando ela mata o pai, que foi completamente forçada (já que ela consegue acertar logo no pescoço dele com a faca), ela, uma menina de 9 anos toda frágil e com a mente abalada (afinal não podemos comparar como igual a mentalidade de uma menina de 9 anos com vida normal com uma que sofre abusos diários de seu pai) conseguiu matar um homem adulto (ainda que bêbado) tão fácil é meio difícil de acreditar. Além de que a personagem cita que é famosa pelo que aconteceu na cidade, mas em casos assim as crianças são sempre mantidas em sigilo para própria segurança, então como é conhecida?

Pois bem.... Passando essa parte, ela vai pra faculdade e tals, e temos uma cena dela falando que tem muito medo de homens hoje em dia, medo de andar de ônibus, de ficar em lugares sozinha com eles... Mas tudo isso é esquecido, já que logo quando conhece um guri lindo que a chama de gatinha já vai logo entrosando, esse esquecimento dela é direto, principalmente quando se trata do protagonista Guilherme, que pelo jeito consegue fazer o trauma dela passar como anos de terapia não conseguiram.

“Meus pensamentos são interrompidos quando vejo um jovem loiro vindo na minha direção, com toda sua masculinidade. Nossa que homem sexy! Passo as mãos pelos cabelos para ajeitá-los.” (….)

“Tenho medo que qualquer homem se aproxime de mim. Eu sinto medo a maior parte do tempo, tenho medo de andar de ônibus, medo de andar sozinha na rua, ou quando vejo alguém com a cor daqueles olhos frios e doentios...”

Temos também é claro uma referencia pequena de Sr Daniels, onde a mãe postiça deixa cartas pra ela entregar para a filha Milena, melhor amiga dela, essas cartas são para serem entregues em momentos específicos para a filha, mas uma continuidade disto é completamente esquecido na história, está simplesmente ‘jogado’ ali no meio ao acaso e em nenhum momento retornamos a tais cartas, mesmo Milena se apaixonando e tals…

As piadas machistas e homofóbicas são lindas também, -sqn. Guilherme e seus amigos pensam que mulheres estão ali para seu bel prazer, chegando a comparar a variedade na praia como um Buffet, e nosso protagonista solta a pérola que a voz da menina é chata então ela deveria ficar com a boca fechada, de preferência sob seu pau. Pois é, bem babaca, e depois é claro que as personalidades mudam completamente, e eu pensando aqui que um babaca nunca mudava seus conceitos da noite pro dia. Eles estão a todo momento questionando as atitudes um do outro com relação a sua sexualidade (se tu não quer pegar uma menina naquele dia então é viadinho, supergirl é uma série muito gay pra um homem e Gothan é que é série pra macho) entre outras pérolas que em certo momento resolvi abstrair porque não aguentava mais esse comportamento preconceituoso.

“—Já viu quanta mulher gostosa tem aqui hoje para escolher? Buffet! —diz observando as garotas bem à nossa frente.”

“Sua voz é fina e nasalada. Acho que a prefiro de boca fechada, de preferência sobre o meu pau.”

“(…) Gabi, nós estamos há horas fazendo maratona de um seriado. Considero gay demais para mim, mas o que eu não faço pela minha irmã não é mesmo? Pelo menos a atriz principal é uma gata. (…) 

—Se você tivesse me deixado colocar Gotham! Isso sim é seriado de homem —digo a ela.

—Se você quer saber, Lucas também assiste Supergirl. Tudo bem que foi forçado, mas assistiu e até gostou.

—Porque ele é um viadinho e... (…)”

Não achei que as cenas de sexo foram bem construídas, Guilherme esta sempre com tesão, típico, é só ver a menina e já está com a síndrome do pau duro, mas a cena mais ridícula (desculpa a expressão, mas não foi legal) é ele entrar no banheiro do quarto de Gabi e se masturbar enquanto ela troca de roupa. Não foi legal isso, desculpa, mas não consigo aceitar um cenário onde isso seja excitante, erótico ou no mínimo respeitoso, ainda mais quanto você está contando uma historia da guria que foi abusada sexualmente e é toda cheia de traumas por isso.  Fora que ele se masturba o tempo todo (não sei onde isso é sexy) e a menina compara o orgasmo como uma dor de cólica prazerosa (oi?). Mas o pior mesmo é quando ele esta fazendo oral nela (e ela esta quase gozando) temos a seguinte frase: minhas paredes se fecharam ao redor de sua língua.... caralho de língua grande Ehn! Sem contar é claro que depois de tanto chove não molha, tanto oral e masturbação, na primeira vez do sexo deles ela consegue dar de boas, o amor superou todos seus traumas sexuais, não existe isso de gatilho, não existem medos quando você olha nos olhos de seu verdadeiro amor e vê que ele te ama ‘-‘.

As quotes a seguir são maiores de 18 anos. Clique no ‘Spoiler’ para lê-las

Como disse é uma salada imensa esse livro, faltou sim uma revisão mais critica e uma lapidada na historia, deixando somente o essencial, com menos reviravoltas e mais tato e pesquisa, pois muitas atitudes são completamente incoerentes com as situações em que eles estão, principalmente as do abuso, que para quem lê mais sobre o tema ou sabe na pele o que é isso, sabe que as atitudes de Gabriela não parecem com as de uma menina que sofreu abuso quando criança pelo seu pai e que o matou com suas próprias mãos.

A escrita da autora apesar das falhas é bem fluida, e isso ajuda bastante já que o livro é enorme, há cenas engraçadas e envolventes sim, mas infelizmente elas não salvam o resto do livro. A historia tinha tudo para ser bacana, se tivesse sido feito uma pesquisa melhor, se focado em 2 assuntos no máximo e é claro se a revisão e a Copidesque tivessem sidas feitas realmente com empenho (Sinceramente, nem acredito que esse livro tenha passado pelas mãos de um Copidesque, pois se tivesse metade das incoerências tinham sido solucionadas e a história lapidada).

O livro termina com a bomba que o pai está vivo, um mistério que pode envolver Julia ser filha do pai da Gabi (especulações minhas), e isso ate que foi legal, mas infelizmente a salada estava muito grande e no final tem tanta coisa acontecendo que você já não sabe mais onde concentrar. O livro tem continuação, e já tem os próximos casais formados, mas eu espero de coração que no próximo livro seja feita uma pesquisa maior, que a historia seja mais focada e que detalhes incoerentes sejam deixados de lado, pois me atrapalharam muito no decorrer da narrativa e como disse a história tinha tudo pra ser boa.

Essa foi a resenha pessoa, como disse é a MINHA OPINIÃO sobre o que eu li, sei que tem gente que está gostando do livros e tals, e não estou aqui de maneira alguma para fazer vocês não comprarem o livro ou não quererem ler nada da autora, espero que as pessoas que gostam de tretas sejam maduras suficientes para entender que isso aqui é a minha opinião e como disse não sou obrigada a nada, e em nenhum momento ofendi ninguém com minha resenha.

O Que Resta de Mim

 

ISBN: B000000011
Ano: 2016 / Páginas: 423
Idioma: português
Editora: Amazon

avaliação cupcake - Cópia

20 comentários:

  1. Olá Sabrina!
    Opinião sincera acima de tudo!! Nem sempre o que você não curtiu outra pessoa não irá gostar não é mesmo? Eu sou bem crítica e quando vejo erros na linha temporal já fico bem desanimada (afinal é só dar uma boa pesquisada antes de escrever né!?)
    Também acho um erro comum escrever séries e querer jogar todos os personagens das próximas histórias no livro 1.
    Realmente teria tudo para ser um livro bom, se tivesse focado na superação dela em relação ao abuso (com a ajuda dele -e claro sem essas "piadas" machistas e homofóbicas)
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Aichha, pois é né, foram vários elementos que somando acabaram detonando o livro, esse negocio de jogar tudo no primeiro livro me irrita muito em séries, porque fica carregado demais e você não consegue se envolver emocionalmente com nenhum dos vários personagens que ali estão.

      Excluir
  2. Nossa, que livro mais estranho kkkkkkkk, não gostei nem um pouco, mas gostei demais da sua resenha e li alto demais, como você disse gosto é gosto e cada um tem o seu, adorei sua sinceridade e desejo toda sorte do mundo para quem acompanha a série que melhore mais na frente quem sabe, também quero conhecer alguma outra obra da autora terei o imenso prazer de ler.
    Abraços!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é né, o mais importante é saber respeitar a opnião do outro, seja ela positiva ou não.
      Eu também não descarto ler os próximos livros da autora, a escrita até que é boa, mas infelizmente ela pecou pelo excesso.

      Excluir
  3. Muito boa resenha,parabéns. Não li e pelo que vejo de comentários de leitoras e blogueiras que sigo a opinião unanime é de que a autora deu mais passos do que verdadeiramente conseguiria ao criar esse livro de estreia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado <3
      Realmente deu mais passos que tinha capacidade, acredito que para um primeiro livro dela como autora (e como primeiro da série) tinha que sem mais básico, só assim ela conseguiria desenvolver e fechar todos as pontas nos próximos livros.

      Excluir
  4. Olá sabrina, sua resenha está perfeita e concordo com as observações, fica difícil passar por esses fatos e achar normal por ser ficção, o mínimo de coerência nessas histórias deve ser tratado com cuidado. Espero que a autora faça uma nova revisão e um trabalho mais maduro. Bjkas

    ResponderExcluir
  5. Olá Sabrina

    Não li o livro e jamais leria depois de todos estes argumentos. Hoje em dia qualquer um acha que está apto a escrever um livro e quando é assim, geralmente escrever romances eróticos. Olha acho até falta de respeito uma pesssoa que não entende nada de abuso, e pelo jeito nem de sexo, escrever um monte de barbaridades dessa. Espero que a autora dê um jeito nisso.
    Amei a resenha, sinceridade acima de tudo.
    Beijuh

    ResponderExcluir
  6. Olá Sabrina, adorei sua resenha e concordo em gênero, número e grau, a falta de estruturação, os plost twists e erros ortográficos são berrantes, se ela tivesse sido lapidado por uma boa Copidesque muitos das falhas do livro poderiam ter sido evitadas.
    Parabéns pela resenha e pela sinceridade, e que a autora use das suas palavras pra crescer como profissional.

    ResponderExcluir
  7. Sabrina, eu me identifiquei demais com a tua resenha, tem tanta coisa troncha nesse livro que fica até meio complicado problematizar, mas se eu fosse escolher uma coisa pra ser o pior era a parte da punheta, porque olha, deu vontade de vomitar e revirar os olhos três vezes imaginar que alguém ache que uma cena invasiva e abusiva daquelas é sexy ou sensual.
    Beijoo

    ResponderExcluir
  8. Parece que o livro não agradou muito mesmo, hein! Eu já não tinha muito interesse, pois não faz o meu gênero, e após as suas críticas (muito pertinentes, por sinal) estou menos interessada ainda. Acredito que esse excesso de plost twists deva deixar o livro meio cansativo. Gostei muito da sua resenha, sobretudo pela sinceridade.

    Tatiana

    ResponderExcluir
  9. Sabrina!
    É a segunda resenha que leio desse livro hoje e a outra foi bem no seu estilo, mostrando os enormes pontos negativos e furos da história.
    Não tem porque detonar você, afinal está sendo sincera em sua opinião e em suas críticas que achei até bem construtivas e espero que a autora leve em conta e amadureça para o próximo.
    No momento não tenho interesse em ler.
    “Ouse saber!(Sapere aude)” (Immanuel Kant)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de MARÇO, livros + KIT DE PAPELARIA e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  10. Então... A resenha me desanimou apesar da capa do livro ser linda. Essa coisa dos anos foi uma vacilo que ao meu ver a revisão poderia ter dado um toque e corrigido. O que mais me incomodou foi terem vários casais o que cansa bastante. Desanimei do livro

    ResponderExcluir
  11. Oi Sabrina.
    Adorei que escreveu com sinceridade.
    E te entendo, pelo que descreveu o livro é realmente bem incoerente, e não condiz coma idade dos personagens, isso é bem questionável.
    Achei a premissa clichê, e parando para pensar parece mesmo com o livro da Colleen, a cena do banheiro é realmente um absurdo, mas enfim não acho que esse seja um livro para mim.
    Bjs.

    ResponderExcluir
  12. Eu não li o livro mas gostei bastante da sua resenha, puder ver que você realmente fez uma leitura bem atenta do livro, não apenas buscando entretenimento. E mesmo sem ter lido (e na verdade nem fiquei com vontade de ler rsrs) concordei com as falhas que você apontou e de fato as falas do Guilherme são mega machistas! Fiquei chocada!

    ResponderExcluir
  13. Olá, Sabrina!!
    Gostei muito do livro, porém achei muito meloso, não gosto disso.
    Amei a resenha!!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  14. Fiquei curiosa em relação esse livro
    Porém sabe dessa peças soltas é importante para não ir tão sede não pote
    Essas ramificação nas historias pode atrapalhar muito nos desenvolvimento do livro
    Acho mais importante trabalhar nos personagens centrais, e não nas ramificação. Enfim, mesmo com essa coisinha que pode incomodar a gente, ainda apreender ler sem duvidas. Porque interessante a historia e merece a chance de ser linda e admirada

    ResponderExcluir
  15. Ai, não... só de ler a resenha já fico me perguntando como pode alguém gostar disso!?
    Aparentemente é super incoerente mesmo, esses detalhes das datas não passariam "em branco" pra mim e iriam me incomodar sim. Personagens que não tem personalidade definida também me irritam, principalmente por terem atitudes que não condizem com a idade.
    Enfim, nem tenho nada contra livro hot mas esse é um que eu quero passar longe.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  16. Oi Sabrina!
    Eu sei que é SUA opinião, mas baseada nela, também achei o livro horrível!!! Em compensação adorei sua resenha e me diverti muito lendo (tive até que esperar um pouco, porque estava difícil parar de rir). Não li o livro da Colleen Hoover que você mencionou, mas em alguns aspectos achei parecido com "O Acordo" da Elle Kennedy, um garota traumatizada com o abuso sexual que vai para faculdade e lá acaba se envolvendo com um cara cheio de conquistas na cama, que se transforma por esse amor... A diferença é que em O Acordo, a garota apesar de anos de tratamento, ainda vive na defensiva quando o assunto é homens e sexo. Me parece que a intenção da autora de escrever uma trama erótica falhou miseravelmente, ela pesou a mão e criou praticamente um pornô barato e bem ruim (sensualidade mandou lembranças). Fora incoerência com as datas e a idade mental dos personagens... Com certeza um livro para se passar longe!
    Parabéns pela sinceridade na resenha!

    ResponderExcluir
  17. Oi, Sabrina!!
    Adorei a resenha que você fez. Não conhecia esse livro mais sinceramente não gostei muito da história não. Então eu passo a indicação.
    Beijoss

    ResponderExcluir