Serial Killers: Made in Brazil - Ilana Casoy

DSCN4255

Skoob – Avaliação: 4/5

Após o sucesso do seu primeiro livro, Ilana Casoy dedicou-se a uma pesquisa rigorosa para investigar os serial killers brasileiros, no que viria a ser o primeiro livro do gênero dedicado aos assassinos em série do Brasil. Foram cinco anos de pesquisas, visitas a arquivos públicos, manicômios e penitenciárias, além de entrevistas cara a cara com personificações do mal em terras tupiniquins, para compor um inquietante roteiro com rigor investigativo de como, por quê e com que métodos os serial killers brasileiros atuam.
Em Made in Brazil, Casoy relata sete casos de serial killers brasileiros, três dos quais ela entrevistou pessoalmente: Marcelo Costa de Andrade, o vampiro de Niterói, um dos casos e depoimentos mais chocantes do currículo da autora; Francisco Costa Rocha, o Chico Picadinho; e Pedro Rodrigues Filho, o Pedrinho Matador. Um relato cruel feito pelos próprios assassinos, conduzido com maestria por quem entende do assunto, que procura guiar o leitor pela sinuosa mente de pessoas frias e com movimentos mais que premeditados para o mal. Além deles, a autora se debruça sobre a vida e os crimes de José Augusto do Amaral (Preto Amaral), Febronio Índio do Brasil, Benedito Moreira de Carvalho (Monstro de Guaianases) e José Paz Bezerra (Monstro do Morumbi).

*Livro de acervo pessoal da blogueira*

Ano  passado eu me aventurei no incrível Serial Killers, Louco ou Cruel? (resenha aqui) e foi um livro que marcou minha vida, tanto para futuras referências quando citados serial killers famosos (American Horror Hotel foi um show de referências) e também psicologicamente, pois sempre gostei de aprender mais sobre esses aspectos comportamentais, e ver o quanto alguns assassinos podem ser loucos, cruéis, frios e principalmente: normais é de arrepiar o corpo inteiro, ainda mais quando você pensa que pode morar durante anos ao lado de uma pessoa assim, tê-lo como amigo, colega de trabalho, parente e nunca desconfiar de nada…

DSCN4258

Felizmente o box lançado pela Darkside Books possui também a versão Br desses assassinos, e agora eu pude conferir o quanto a loucura é universal (queria fazer um trocadilho aqui mas não é politicamente correto u.u), e o quanto essas pessoas do nosso país podem ser tão loucas quanto as gringas, chegando a um nível de crueldade até maior em alguns casos se analisarmos bem.

São relatos medonhos sem dúvida, mas o que deixa tudo ainda mais crível e assustador é o fato da versão Brasileira dos serial killers possuir diversas entrevistas detalhando ainda mais os casos, entrando profundamente na mente insana dessas pessoas. Ilana Casoy, a autora conduziu várias das entrevistas relatadas no livro, e pode transcrever os sentimentos, as expressões e principalmente a falta de arrependimento dos criminosos ao lembrarem de suas vítimas, mostrando que mesmo com anos e anos em prisões ou clínicas psiquiátricas, se um dia fosse libertos poderiam cometer os mesmos crimes novamente, sem hexitar.

A edição mais uma vez está lacradora, com fotos dos arquivos dos casos (a do Francisco ‘Picadinho’ é a mais detalhada, até pensei em colocar na resenha, mas fiquei com medo de ter a postagem denunciada por ser explícita demais) mostrando o nível de crueldade e loucura que essas pessoas chegam, a insanidade que leva a matar crianças, mulheres, homens… qualquer um que entre em seu caminho e que tenha o perfil que este gosta.

Cada caso é muito bem detalhado, uma reconstrução incrivelmente precisa dos fatos, que coloca o leitor na história como se estivesse vendo documentários sobre os crimes, ficando aflito pelas vítimas e com uma sensação ruim no estômago por essas pessoas fazerem o que fazem sem receio algum, e a ineficiência das autoridades policiais em prendê-los, alguns chegando a fazer dezenas de vítimas antes dos policiais terem alguma pista de quem foi o assassino.

DSCN4256

E aprofundando mais sobre esse assunto da ineficiência policia, da muita aflição ler os relatos e ver que nossos poliais são muito despreparados para lidar com tais criminosos, diferente de outros países mais ‘desenvolvidos’ como os Estados Unidos, que ao menor sinal de um crime em série, todos já estão a postos para pegar o culpado, impedindo que o mesmo faça mais vítimas durante o tempo que está solto. Ainda estamos engatinhando na área criminal, com poucos peritos experientes, poucos criminalistas forenses, uma Justiça bem falha e principalmente uma falha bem grande na coleta de provas e estado dos locais onde acontecem os crimes, que não cansamos de ver nas notícias quando um crime de maior magnitude acontece (vide Nardoni) que provas desaparecem ou são corrompidas misteriosamente, e ninguém nunca vê nada.

Mas enfim, Serial Killers: made in Brazil é um livro que mostra a maldade em seu estado cru, e lhe permite perceber que o mal nem sempre vem com uma máscara no rosto ou um facão na mão, ele pode estar mais próximo do que você imagina e em qualquer lugar do mundo, deixando para trás assassinatos dignos de filmes de terror, e sem um final feliz para os que cruzam seu caminho.

Se você gosta de um livro bem escrito, em uma edição foda e com um assunto que vai mexer com sua cabeça e arrepiar os pelos de seu corpo todo, essa é uma leitura mais que recomendada. Aos fracos de estômago recomendo nem arriscar, pois as imagens são fortíssimas e Ilana não poupa os leitores dos detalhes mais sórdidos e cruéis dessas infelizes histórias verídicas.

DSCN4261

 

classificação terror

7 comentários:

  1. Pessoas incrivelmente cruéis existe em qualquer lugar do mundo...Infelizmente!
    E realmente é de apavorar que pessoas como essas,podem estar do nosso lado,sem termos noção do perigo.
    Acho que esse livro é maravilhoso para futuros psicólogos ou psiquiatras. Por trazer detalhadamente relatos reais e assustadores.

    ResponderExcluir
  2. Darkside só faz lançamento foda, vamos combinar. Mais uma vez vou afirmar que eu amo livros que falam da mente do ser humano, principalmente quando se trata de distúrbios e transtornos. Tenho muita curiosidade sobre o tema da psicopatia e saber mais sobre assassinos em questão seria uma boa leitura.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi.
    Gostaria de ter esses livros na minha estante, pois amo as edições DarkSide!
    É um tema forte, uma leitura pesada, o que não me atrai tanto assim, mas por curiosidade e informação, gostaria de ler. Dica anotada.
    Resenha perfeita. Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Adorei! As pessoas geralmente acham um tanto "bizarro" o interesse em Serial Killers, mas eu adoro o tema! Fico querendo entender o que se passa na cabeça deles e ver o quanto podem ser frios. Realmente eles podem estar no nosso convívio e nem notamos. Anotado para próxima leitura!

    ResponderExcluir
  5. Oi Sabrina,
    Adoro livros de casos policiais, acho fascinante acompanhar principalmente a análise do local do crime, o perfil do criminoso, enfim, essas partes mais detalhistas. Mas apesar de amar essas edições da DarkSide, esse livro com certeza não é pra mim. Uma narrativa crua assim, onde a autora conduziu entrevistas com esses criminosos acredito que seja uma leitura pesada demais, sem falar com a menção das imagens. Então, provavelmente não vou ler.
    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Se tem uma coisa que eu gosto nessa vida (além de viagem no tempo) é histórias de assassinos. E quando a história é verdadeira melhor ainda. Tô namorando esses livros faz tempo, não vejo a hora de comprá-los.

    ResponderExcluir
  7. Oi, Sabrina!
    Sempre gostei de seriados investigativos (muitos anos assistindo CSI), e não poderia concordar mais sobre o que você disse sobre a ineficiência da nossa polícia, é gritante a diferença com a mobilização que eles têm em outros países quando se identifica um serial killer ou quando desaparece uma criança.
    Fiquei curiosíssima com o livro, e fora que a edição da Darkside é sempre um primor, então gostaria muito de ter.

    ResponderExcluir