O que te move? - Fernando Moraes

Skoob - 3/5

Movimentar-se para não ficar aprisionado à zona de conforto é um dos grandes desafios nos tempos modernos. Quando a abundância impera, certamente a visão de futuro fica mais comprometida, por isso se faz necessário nos movermos para ter propósitos, sonhos e esperança de dias melhores. Saindo do estado conformista, que anula as possibilidades e nos imobiliza por causa do imediatismo, ser protagonista é mais do que ser o ator principal de tudo aquilo que envolve a nossa vida. Ser protagonista é colocar o coração no sofrimento do outro, renunciando a zona de conforto em função de quem precisa de nós. Movimentar um sonho, uma causa, um ideal ou um propósito de vida nos permite despertar para novas oportunidades, aflorando talentos, habilidades, dons e potenciais, nos dando confiança e coragem para seguir em frente. Neste livro, Fernando Moraes o convida a se mover em busca de novos desafios, a ter atitudes que inspiram grandes transformações e, o mais importante, que nos dê a certeza de que podemos fazer e refazer novos caminhos em busca da nossa felicidade.

*Livro recebido em parceria com a Editora Novo Conceito*
Quais são os seus verdadeiros propósitos de vida?Até aonde vai o seu sofrimento para ajudar o próximo?Você é capaz de renunciar a sua zona de conforto em função de quem precisa de você?
O que significa ser humanista? Significa valorizar o ser humano. E como podemos ser humanistas? Acredito que a melhor forma seja atribuindo relevância a dignidade humana, atribuindo valor a sua vontade e dando importância a sua capacidade.


O inquieto humanista e escritor Fernando Morais, através de sua obra O que te move? divide com leitores e curiosos seus pensamentos humanistas, mostrando que o ser humano pode e deve ser o protagonista de sua própria história, bem como, ser um divulgador de mudanças sociais que se faz urgente no mundo atual.
O protagonismo social não é uma ação individual, ele depende de como um grupo se organiza e interage entre seus membros e com os outros. Protagonizar ações em benefício do bem-estar social tem na sua essência o fazer parte. Não é ser um mero espectador que troca de canal quando o assunto não lhe convém, mas sim sentir-se responsável por seu espaço social e por tudo que nele habita.
O ser humano está atrelado ao comodismo, e nossa aceitação frente a uma sociedade escravocrata nos levará a extinção como seres pensantes e atuantes, aonde a lei do menor esforço subjugará toda nossa capacidade de agir e sentir.


O livro não traz fórmulas ou ensinamentos mágicos de como ser uma pessoa mais atuante e sabedor de direitos e deveres, nem tampouco apontará que saída tomar, mas apresenta com honestidade que uma mudança efetiva na nossa presença como ser emocional, será a mola mestra para que nos tornemos mais humanos e menos alheio a dor e sofrimento do outro.
Levar em consideração a história de vida das pessoas é de fundamental importância em tempos como estes que vivemos. O mundo virtualizado não representa o que somos, está lá exposto numa tela, onde os sentimentos não se revelam através dos olhos e da expressão do corpo, e um clique é só um movimento solitário da tecnologia, não tem sangue, não sente e por isso não impacta, não convence.
Um livro respaldado em pensamentos de renomados autores e grandes filósofos aponta a importância da união, de enxergar e ser visto, de ajudar e ser ajudado. Quando pararmos de sermos vítimas e virarmos protagonistas de nossa própria vida, criaremos um elo indestrutível de vastas escolhas que sempre colidirão para o bem comum.


A leitura é bem rápida e dinâmica e embora o tema seja bem conhecido, achei um tema necessário e pertinente ao mundo que preconiza o “endurecimento do coração humano”.
A única arma para melhorar o planeta é a Educação com ética. Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor da pele, por sua origem, ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar.



8 comentários:

  1. Nossa,essa música me deixou emocionada!
    Infelizmente estamos todos tão voltados para nossos próprios problemas que esquecemos que existem pessoas que precisam de nossa ajuda e com PROBLEMAS realmente reais.

    Gostei do livro, por nos fazer refletir ,sobre o que realmente é importante.

    ResponderExcluir
  2. Oi Nádya...
    "O que te move" parece ser um livro bem filosófico, que nos leva a refletir sobre várias situações que enfrentamos ou que podemos enfrentar ao longo de nossa vida.... 'Renunciar a zona de conforto' nunca é fácil, mas acredito que muitas vezes seja necessário para atingirmos nossos objetivos e crescermos na vida... Um livro que com certeza quero ler em breve...
    Beijinhos...

    ResponderExcluir
  3. Tenho visto alguns comentários a respeito desse livro e não tem como não ficar curiosa, não é verdade? O fato é que eu amo esse tipo de enredo, livros que falam sobre a complexa mente do ser humano e suas decisões, além da capa ser muito bonita. Esse é um livro que eu teria o prazer de ler.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Olá.
    Adorei as fotos, parabéns, ficaram lindas!
    Não conhecia o livro e apesar de não estar acostumada com leituras nesse estilo, achei a premissa muito bacana e reflexiva. Vou adicionar a minha lista e espero poder conferir em breve.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. "Para odiar, as pessoas precisam aprender, e se podem aprender a odiar, podem ser ensinadas a amar." Realmente é isso, se aprendemos o ódio e o preconceito por que não o amor? É o tipo de livro pra dar aquela balançada no seu dia a dia e te fazer refletir. Num mundo tão digital acho que é uma ótima leitura! Já quero ler <3

    ResponderExcluir
  6. Oi Nádya,
    Confesso que quando vi o lançamento desse livro não dei muita atenção, nem cheguei a ler a sinopse, pois não costumo ler livros desse gênero. Agora depois de conhecer melhor do que se trata já fiquei interessada em ler, e adorei a proposta do livro. Um livro para ser lido com muita atenção, que traz assuntos para refletir, questionar e por que não inspirar? Amo livros que nos fazem pensar mais na importância da empatia, com certeza vou querer ler. Esse livro é uma ótima dica para presentear a minha mãe, ela adora livros desse estilo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Adorei, quero ler. Acho bem necessário nós todos refletirmos sobre. Fico bem triste com a situação atual onde é mais "cool" não sentir, ser frio e coisa assim. Parece que ninguém pensa no próximo :/

    ResponderExcluir
  8. Oi, Nádya!
    Eu conheço o autor por nome, mas confesso que os seus livros não me atraem. Não gosto muito de livros que puxem pra esse lado mais filosófico, e apesar de concordar com o que ele descreveu do humanismo, no momento não me interesso pela leitura.

    ResponderExcluir