Leitura da semana: A filha da minha mãe, e eu.

Sinopse
image

A Filha da Minha Mãe e Eu - Mesmo quem nos ama às vezes não consegue ver quem realmente somos - Maria Fernanda Guerreiro

Sensível e tão real a ponto de fazer você se sentir parte da família, A filha da minha mãe e eu conta a história do difícil relacionamento entre Helena e sua filha, Mariana. A história começa quando Mariana descobre que está grávida e se dá conta de que, antes de se tornar mãe, é preciso rever seu papel como filha, tentar compreender o de Helena e, principalmente, perdoar a ambas. Inicia-se, então, uma revisão do passado – processo doloroso, mas imensamente revelador, pautado por situações comoventes, personagens complexos e pequenas verdades que contêm a história de cada um.





Hoje a resenha é de um livro que me emocionou MUITO, e que sinceramente, me surpreendeu com a riqueza da narrativa e como eu me identifiquei com a história.

Tudo começa quando Mariana descobre que está grávida, e percebe que para ser uma boa mãe terá que mexer no seu passado e entender ao fundo o seu relacionamento com Helena, sua mãe, o qual nunca foi fácil para ambas as partes.

Quem nos conta a história é a própria Mariana, mostrando toda trajetória desde seus cinco anos até o dia em que descobre a gravidez. Ela nos mostra seu relacionamento familiar, principalmente com sua mãe, que parece bajular mais o seu irmão e não gostar nem um pouco da garota. Nos apresenta seu pai que tem um amor enorme pela filha, e Guga, seu irmão mais velho que “parece” ser o xodó da mamãe.

Mostrando as cenas do dia a dia da família, a protagonista nos faz tomar raiva de sua mãe no começo da narrativa, pois a garota nos apresenta cenas que é humilhada, agredida e desprezada pela mãe, restando apenas o carinho do pai.

Mas, ao decorrer ela nos mostra “o outro lado da história”, contando-nos a história de Helena, de como sua vida é triste, como foi abandonada pela família, e assim casou-se cedo com Tito (e sua família) e teve as crianças logo no começo, não sabendo como lidar com tantos problemas se torna uma mulher fechada com todos que a cercam.

No livro vemos todas as fazes da vida de Mariana, desde quando é uma criança, passando pela sua adolescência e chegando a idade adulta. Mostra todos os seus amores que deram certo e os que acabaram muito mal das pernas.

A narrativa é surpreendente, pois quando você está meio cansado de escutar as “reclamações” da Mariana a história muda de foco, passando para a tia Maria João e seus pais, os pais de Mariana, seu irmão, entre outros pedacinhos que histórias que são completamente importantes para nos mostrar um todo e construir todo o cenário até aqui.

Vemos assuntos como homossexualidade, drogas, aborto, separação ser tratadas de formas tão simples e reais, pois não são “casos de novelas” que com um pá pum! sem resolvem, você vê que o jeito que a família contorna esses assuntos é como uma família normal resolve.

Achei o livro nota 10, me emocionei muito, pois quando li lembrei de uma frase que meu professor de sociologia dizia: Você só resolverá seus problemas com seus pais quando se tornar pai ou mãe.

image

Compre o livro:  Saraiva | Submarino | Americanas


Este livro foi ganho no blog Sonhos entre pontinhos e não tem nenhuma influência da editora no post.